[Chile] A aprovação e a revolução como espetáculo

Introdução

Seria raro que alguém duvidasse do significado das duas primeiras palavras que me vêm à mente: “Aprovação” e “Revolução”. No entanto, Espetáculo? Por quê? Falar de espetáculo é falar de Debord, um pensador que tem sido pouco considerado pelos setores revolucionários. Não se intenciona fazer nenhuma pesquisa ou trabalho acadêmico aqui, por isso vamos mantê-lo breve. O termo em questão é apresentado pelo autor em sua obra seminal: A Sociedade do Espetáculo (1967) e refere-se a uma forma de relação social mediada por imagens (s4), bem como a um mundo que foi invertido no qual o que parece ser verdade é falso (s9). O espetáculo é a fase atual do sistema capitalista, na qual a sociedade preferiu a representação à realidade, onde desejos, relacionamentos e comportamentos são influenciados em sua totalidade pelo espetáculo, ou seja, não desejamos ou nos relacionamos como desejamos, mas como se espera que façamos. O espetáculo está em todos os lugares, assim como vai da televisão e do rádio (idiotices, showbiz, reality shows, banalidades cotidianas, tempo, etc.) ele também atinge nossos relacionamentos e nossa maneira de ser: quando carregamos histórias para o Instagram ou publicamos alguma opinião em nossas redes sociais, quando estamos ou nos vestimos de uma certa maneira para nos adaptarmos, quando queremos imitar o que vemos (ser um modelo de roupa íntima, ter o melhor emprego, ter um corpo magro e tonificado, etc.).

1

Um debate que se realiza em nível nacional, quase um ano após o início da revolta de outubro de 2019, e parece que todos os setores da sociedade fizeram um esforço para lidar com ele em todos os lugares e em todos os tons: os jornais, a televisão, a Igreja, os partidos políticos, etc. O debate sobre o plebiscito que se aproxima dentro de algumas semanas; abster-se, aprovar ou rejeitar. É suficiente entrar no transporte público por 20 minutos, e você ouvirá algo relacionado. Lidar com o plebiscito é inevitável.

2

O que em seu início foi um protesto desorganizado que envolveu vários setores da sociedade, nada mais fez do que trazer à tona a roupa suja que a sociedade vem arrastando para fora do território chileno, a distinção grosseira entre manifestação pacífica e violenta, cada uma com seus respectivos manifestantes. Uma distinção pela qual nem mesmo o atual proletariado assumiu a responsabilidade.

3

A mesma divisão que ocorreu dentro do proletariado no final dos anos 60 e início dos anos 70 que foi mostrada entre a esquerda ao lado do “camarada” Allende e uma esquerda radical, é mais uma vez dolorosa para nós hoje. Desde o início do novo milênio temos testemunhado uma informalização do protesto; rostos cobertos sem lei para destruir o que está em seu caminho; e, por outro lado, a política reformista herdada da nostalgia e da derrota depois de 73.

4

A irrupção (em tempo hábil) realizada pela classe política a fim de acalmar a fumaça (dos eventos de outubro) mais do que cumpre seus objetivos, a manifestação violenta e informal em si é coberta com um matiz institucional. Para este novo agente social, o confronto com a polícia é totalmente compatível com as exigências reformista. A coisa é simples: nova constituição ou nada.

5

Alguns dias se passam e já se fala em todo lugar do novo ardil da classe política, que em completa sincronização com a festa da mídia a cada hora. As pessoas são questionadas na rua, o uso da violência é questionado, a continuidade da vida (ou não vida) em nosso território é questionada, etc. Nas redes sociais, a maioria das pessoas publica e compartilha coisas relacionadas. As primeiras imagens espetaculares começaram a ser criadas.

6

Eles começam a adorar as imagens do protesto, as atuações daqueles que chegam a ele com um traje (como se fosse um desfile), ficam lisonjeados por este ou aquele manifestante que fez ou disse isso. Os membros dos partidos políticos de esquerda começam a dar suas opiniões e expressar seu repúdio, e nada mais fazem do que seguir o jogo da luta espetacular: gritam e reclamam, carregam uma publicação no Twitter, tiram uma foto de si mesmos em um protesto, repreendem as autoridades, etc., embora seja sabido que não têm como objetivo destruir o que existe. Talvez pudesse ter sido assim em algum momento. Hoje? Não.

7

Estas lutas falsas espetaculares são reproduzidas em grande parte da população, as pessoas começam a compartilhar uma publicação e a questionar, mas elas não querem uma mudança radical. Elas espalham uma imagem, tiram uma foto de si mesmas na barricada, tiram uma foto de um cartaz que gostam, etc. Qualquer outra pessoa que compartilhe estas publicações pensa que elas são (e se tornam) uma falsa revolucionária. O revolucionário-espetacular, filho da sociedade do espetáculo. O revolucionário por excelência, aquele que tem todas as suas informações pessoais no Facebook e no Instagram.

8

A Aprovação se tornou o escudo desse falso revolucionário.

9

A aprovação está próxima de um dos processos anteriores que este território teve, o plebiscito de 88, quando supostamente o ditador foi expulso com um lápis e papel. Este processo atual não promete nada muito diferente. Este último, como seu predecessor, promete condenar nas últimas páginas dos livros de história e nas paredes do território ao proletariado morto, preso e violado.

10

A crise da economia dominante em nosso território vem se manifestando há décadas. Nos anos 90, o anarquismo começou a assumir um caráter um pouco mais notório e suas lutas com os campos reformistas se tornaram cada vez mais constantes, especialmente nos primeiros 15 anos do novo milênio. O uso da violência nas manifestações está mais uma vez sobre a mesa.

11

Vários setores que afirmam ser revolucionários puseram de lado o debate teórico ou simplesmente apoiaram o que historicamente acreditavam ser correto. Um debate que foi evitado desta forma mostra apenas os problemas que nunca foram discutidos, e que, como uma bola de neve, hoje estes problemas aumentaram e estão prestes a cair sobre um grupo humano que ignora a bola que vem da montanha em grande velocidade.

12

O proletariado tem sérios obstáculos na organização e definição de si mesmo. As imagens do governo de Allende são repetidas, assim como sua figura. Este governo e sua via chilena para o socialismo transbordaram pelas bordas: a) os grandes índices de politização na sociedade (para poder se comprometer e se encaixar com os outros partidos), b) a radicalização do movimento operário, e c) a esquerda radical que o desobedeceu (a V.O.P.). Allende estava em uma corrida, e ele optou por frear. Sua figura ainda está cercada por um misticismo e uma nostalgia que devem ser questionados hoje. Superar Allende é um requisito prévio para a articulação de novos discursos e práticas de luta por parte do proletariado.

13

A aprovação deu-se o nome de Revolução. As duas ideias são indistinguíveis, elas são uma só. A Revolução que nos é oferecida é a Aprovação. Quem a rejeitar será classificado como contrarrevolucionário e indolente diante das baixas do proletariado. Este tipo de processo é como a serpente que come sua própria cauda para sempre.

14

Aqueles que veem uma pequena esperança revolucionária nos meios de reprodução da ideologia capitalista estão a tempo de se desfazer dela. O controle total da vida está aumentando, e se o modelo existente for destruído, é urgente destruir todas as suas frestas e braços, que embora não pareçam estar armados – até os dentes – com ideologia. Eles construíram uma falsa revolução que já está produzindo seu falso exército revolucionário.

15

A Aprovação é um espetáculo de massa que come a si mesmo. Assim como a sociedade capitalista está caminhando para a autodestruição, a aprovação é o novo imperativo para a conduta moral no século XXI. Seus revolucionários internalizaram a lógica do modo de produção existente e estão se devorando, aniquilando cada perspectiva e mudança que opta pelo real, deixando para trás a aparência de luta que o próprio sistema espetacular os vendeu.

Camila Iconoclasta

Fonte: https://insurrecciontotal.wordpress.com/2020/10/07/el-apruebo-y-la-revolucion-como-espectaculo/

Tradução > Liberto

Conteúdos relacionados:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2020/10/08/chile-depois-do-plebiscito-continuarao-nos-atacando-para-defender-a-ordem-dos-ricos-sublevacao/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2020/10/05/chile-construamos-um-novo-mundo-com-luta-e-organizacao/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2020/10/01/chile-nada-de-urnas-se-organizar-a-margem-dos-partidos-e-do-estado/

agência de notícias anarquistas-ana

abelha na flor
a brisa nas árvores
eu com teu sabor

Carlos Seabra

Leave a Reply