[Espanha] Bruxas, loucas e estraga prazeres

Por Sofia Guggiari

“A história do feminismo torna-se assim

na história das mulheres que causaram problemas”.

Sara Ahmed “A Promessa da Felicidade”

 

“Tão histérica, histórica”

Sara Hebe Histórica

Rumo a uma reivindicação

Qual é a relação entre Britiney Spears, Milagro Sala, Joana D’arc, Natacha Jaitt, Ofelia Fernandez, Romina Tejerina?

Parece que nada, que à primeira vista a única coisa que as une é que são todas mulheres (cis-gênero), e que estão separadas por uma geração, uma colônia ou um império, uma cor de pele, uma ideologia, uma história pessoal, um lugar geopolítico social e cultural na história ocidental. Mas se pararmos bem para ouvir o impacto que esses nomes geram no senso comum, não haverá alianças como corpos marginais, loucos, insurrecionais e desobedientes?

Abruptas, barulhentas, escandalosas, desonestas, insubordinadas, irreverentes, subversivas, assassinas. Existe uma relação direta entre insurreição, desafio, desobediência, punição, estigmatização e infelicidade. Ninguém quer causar ou estar em apuros e ninguém quer ser a causa de sua infelicidade própria ou social.

Neste sentido, a figura da mulher louca, a bruxa, a estraga prazeres, são representações estigmatizantes do imaginário social. Elas desorganizam, geram medo ou desconforto. Fora do que é constituído como uma “boa feminilidade”, “uma feminilidade autorizada” ou “uma feminilidade correta e adequada”, a feminilidade que supõe fazer os outros felizes. Séculos de produção de um regime de terror sobre aqueles corpos que não subscrevem o modo de vida dominante (nem colonial), aqueles corpos insubordinados que sempre pagam um preço: queimados, torturados, aprisionados, em tratamento para curar. É melhor mantê-los sempre afastados, objeto de zombaria ou humilhação, quando não são objeto de estudo pela ciência, corpos que são rejeitados, mal vistos, corpos que são assustadores, até mesmo horríveis.

Mitos de bruxas que devoram crianças enquanto estão em êxtase sexual, ventres migrantes como causa de males femininos, sprays vaginais terapêuticos, atrizes e histéricas juntas no mesmo ambiente médico ocidental, feministas mostradas como frustradas com sua sexualidade, más, muito más, super más, zangadas e orgíacas. E sim, como não ficarmos zangadas com tanta opressão?

Bruxas, loucas e estraga prazeres

Sob tortura, mulheres acusadas de bruxaria na Europa e depois na América colonial – geralmente mulheres pobres, camponesas, defensoras da economia comunitária, curandeiras, detentoras de conhecimento e praticantes de medicina natural, parteiras, abortistas, mulheres fora do sistema de aliança conjugal, diante dos olhos de outros, “libertinas ou promíscuas” – confessaram os crimes que o clero, políticos, aristocratas, inquisidores e colonizadores queriam ouvir: que tinham feito um pacto sexual com o diabo.

No início do século XVII, os discursos médicos que começaram a se desprender dos discursos religiosos mais ortodoxos, a fim de se ordenarem sob a lógica política e social do racionalismo nascente do estado-nação, começaram a substituir o termo “bruxa” pelo de “doente mental”, não eram bruxas e não tinham feito um pacto sexual com o diabo, mas estavam doentes. Eram histéricas, paranoicas, dementes, loucas, pervertidas, epilépticas, melancólicas (Ana María fernandez, 1983). Às vezes também eram putas, mas eram sempre estraga prazeres.

Da alma para o corpo, do diabo para a mente, da religião para o sujeito. Dispositivos de controle para julgar, para governar aquilo que, fora do que a hegemonia dos sentidos ordena como normal e legítimo, retorna como o assustador. Assim, o que é proscrito insiste, seja como demônio, como pesadelo, como sintoma, ou como aquele corpo em protesto, que sempre cai um pouco mal, e que não é bem-vindo e arruína o festejo daqueles que escreveram e escrevem a história ocidental (homens brancos, proprietários e heterossexuais).

Quem entra e quem fica de fora desta festa? E em qualquer caso, como você tem que se comportar para entrar?

A feminilidade assim, sempre definida no Ocidente desde os gregos no período clássico, como uma fraqueza que associa mulher e útero “caprichoso, migrante ou defeituoso”, ou por Rousseau e a filosofia do Iluminismo, como um sujeito inferior devido a sua estagnação na fase pré-social, do saber poder psiquiátrico, devido a sua fragilidade das fibras nervosas, ou da psicanálise, como uma existência inscrita no inconsciente desde a castração. Essa feminilidade, é claro, é definida pela história europeia que colonizou nossos modos de pensar sobre saúde e vida como um todo.

Em falta ou em excesso. Insatisfeito com a insaciabilidade ou por casta e virginal. Fraca por natureza, biológica e mentalmente, o reverso de seu poder e mal (já que aquele que está predisposto a fazer um pacto com o diabo é por causa de sua fragilidade carnal ou de seu sistema nervoso fraco). Milhares de fogueiras para queimar, terapêuticas para curar ou normalizar, casos criminais para processar ou perseguir. De culpadas a doentes a culpadas novamente.

É neste sentido que Silvia Federici pesca muito bem em o Caliban e a Bruxa, que os ideais burgueses de uma feminilidade normal saudável e legítima esperada são passividade, domesticidade, maternidade, modéstia e obediência com que os corpos são subjetivizados, nasceram nas câmaras de tortura e nas fogueiras do genocídio das bruxas.

Alegria e Rebelião

Podemos identificar hoje a eficácia simbólica restritiva e coesa que produziu o genocídio, demonização e estigmatização (durante séculos e hoje) sobre as mulheres? O impacto subjetivo de culpa no discurso social atual produzido pela aclamada terapêutica dos séculos passados (que ainda têm seus correlatos no presente) para “normalizar” e silenciar os gritos que denunciavam a opressão? Que consequências existem em nível de socialização, representações sociais, educação sentimental e afetiva, nos discursos privados e familiares domésticos que se inscrevem e operam no inconsciente e nos corpos de hoje? Qual é a relação entre obediência e desobediência na história e os modos que temos de viver a saúde, os modos que adoecemos, amamos, nos excitamos, autorizamos a nós mesmas?

Como diz Sara Ahmed, você tem que ser um pouco estraga prazeres. Reclamar a figura daquela que apodrece tudo, para criar, é claro, a própria festa, o convênio comunal e amigável dos corpos rebeldes. Deve-se ser um pouco mística, um pouco bruxa, um pouco louca, um pouco histérica, um pouco atriz, um movimento de reapropriação do sinal estigmatizante para transformá-lo em um poder vital.

Fugir do mandato de ser e dar felicidade como um objetivo ideal, esse objetivo que exige a adaptação do corpo e das potências – à custa de muito mal-estar – a um certo mundo heteronormativo. Fugir a fim de dar espaço para as múltiplas possibilidades. E, em qualquer caso, produzir uma existência a partir da alegria como uma alternativa política à felicidade como uma moral.

Fonte: http://lobosuelto.com/brujas-locas-y-aguafiestas-sofia-guggiari/

agência de notícias anarquistas-ana

Um Sol ameno
brotou no entardecer
trouxe um riso

Ada Gasparini

Leave a Reply