[Fortaleza-CE] Comunidade do Viaduto da Base Aérea se organiza com a Terra Liberta/FOB para reivindicar seu direito à moradia digna

Embaixo do viaduto da BR-116 em Fortaleza-CE, ao lado da Avenida Borges de Melo, 58 famílias residem com seus barracos entre o barulho das rodovias, a falta do acesso à água, a insegurança e tantos outros sintomas de viver em uma cidade onde o lucrar com a terra impera sobre a vida do povo. A pandemia piora ainda mais esta situação com o aumento do desemprego e do preço dos aluguéis. As famílias mais velhas têm 2 anos na comunidade, mas uma grande quantidade de famílias está entre 1 ano que reside lá, indicando uma relação causal com o agravamento da pandemia, relação que as próprias famílias afirmam. Uma situação bastante semelhante com outras ocupações na cidade de Fortaleza.

A Organização Popular Terra Liberta, filiada à FOB, iniciou um trabalho no território com o Sopão Noiz por Noiz neste segundo semestre. Dialogando com as famílias, construiu-se uma assembleia da comunidade para o dia 5 de setembro de 2021. Neste dia, as famílias decidiram iniciar uma jornada de lutas, juntas à Terra Liberta, para reivindicar sua moradia. Entendo que o aluguel social, ou qualquer outro auxílio temporário, não é a solução para quem não tem casa. A solução é a casa própria, digna, como é de direito a todo ser humano neste mundo.

Como encaminhamentos desta primeira e importantíssima assembleia, foi tirada a criação de uma rede social para divulgar a luta da comunidade: @lutacdvba , no instagram. Também foi tirado o encaminhamento de convidar os veículos jornalísticos para se fazerem presente no dia 12/09 às 17h na comunidade para que sejam ouvidas as famílias que a tanto tempo foram invisibilizadas.

A Terra Liberta é uma Organização Popular que luta pelo direito à terra para povo pobre, trabalhador, no campo e na cidade. Caminha para a soberania alimentar, a autodeterminação dos povos, a alegria e a utopia de um mundo sem as cercas da servidão.

agência de notícias anarquistas-ana

Todos dormem.
Eu nado na noite que
entra pela janela.

Robert Melançon

Leave a Reply