[Grécia] 24 de Junho | Dia Internacional de Solidariedade com o anarquista e grevista de fome desde 23/05 Yinnis Michalidis

Após 8,5 anos de prisão, depois de todas essas ações arbitrárias contra mim, decidi pôr um fim aos meus 11 anos de sofrimento, erguendo um monte à prática da prisão preventiva, ou à punição adicional de fuga através de brechas da justiça. Depois de mais 5 meses de prisão preventiva, inicio uma greve de fome pela minha libertação. Esta escolha, com a profunda motivação da tão desejada liberdade, pretendo apoiar com a mesma coerência com que tenho apoiado minhas escolhas até agora e pelas quais eles estão se vingando de mim“. – Giannis Michailidis, preso preventivo na prisão de Malandrinos, 23/5/2022

Ao longo de sua vida, Yinnis Michalidis tem sido parte integrante das lutas contra o Estado e o capital desde uma perspectiva anarquista. Ele participou desde sua juventude em grupos estudantis anarquistas, em manifestações contra a guerra no Iraque, em manifestações anti-estatais/anticapitalistas do movimento antiglobalização de 2004-2006 e foi preso durante os conflitos. Ele participou das lutas estudantis em 2006-2007 contra as reformas reacionárias no ensino superior (privatização das universidades, abolição do asilo, etc.). Ele lutou contra o saque da natureza e foi preso durante uma intervenção contra o desmatamento da montanha Parnitha em 2007. Ele foi parte integrante da revolta de dezembro, quando policiais assassinaram a sangue frio o anarquista de 16 anos Alexandros Grigoropoulos, no bairro de Exarchia. Ele esteve presente nas batalhas contra os memorandos em 2012. Ele optou pela expropriação da riqueza sangrenta dos bancos, permanecendo firmemente comprometido com a visão da derrubada do Estado e do capital, mantendo uma postura militante contra o complexo policial-judicial, a expressão material do terrorismo de Estado.

A forte perseguição contra Yinnis começou em 2011, quando foi emitido um mandado de prisão contra ele por seu envolvimento na Conspiração das Células de Fogo (CCF). A razão era sua relação de solidariedade com os anarquistas procurados. Ele escolheu o caminho da ilegalidade e foi preso em 2013 em Velvento, Kozani, após expropriar um banco junto com 3 outros anarquistas, onde foi torturado pela polícia. Após sua prisão, ele é acusado de ser cúmplice do anarquista Theophilos Mavropoulos no confronto armado com a polícia em Pefki (uma área no norte de Atenas) e é condenado à prisão. Ele também é acusado de ser um “indivíduo terrorista” juntamente com seus companheiros no caso Velventos e condenado à prisão por posse de munição e falsificação. Nos julgamentos que se seguem, ele será absolvido de seu envolvimento na CCF e condenado pelo assalto ao banco Velventos, pelo caso Pefki e pelo caso individual de terrorismo.

Na prisão, participou em solidariedade com a greve de fome de Nikos Romanos em 2014, bem como na greve de fome em massa dos presos políticos em 2015. Em 2019 ele fugiu das prisões rurais, devido a uma acusação falsa por participar da revolta contra o violento sequestro do então grevista de fome Dinos Yatzoglou na prisão de Korydallos. Esta perseguição foi realizada contra todos os presos políticos a fim de restringir seus direitos e prolongar seu tempo na prisão. Ele foi novamente detido em Atenas junto com dois outros companheiros (Dimitra Valavanis, Konstantina Athanasopoulou) em 2020 e foi acusado de expropriação de um banco, pelo qual ele reivindicou a responsabilidade.

O companheiro anarquista Yinnis Michalidis cumpriu, em 29 de dezembro de 2021, após 8,5 anos de detenção, as condições formais de libertação de todas as suas sentenças. Entretanto, o Conselho de Justiça Federal de Amfissa nega sua liberação sob o pretexto de que ele não satisfaz as condições substantivas de libertação. Esta detenção adicional está sendo usada à vontade pela máfia judicial para punir as escolhas e atitudes de luta do companheiro. Após a primeira rejeição de seu pedido de liberdade condicional em fevereiro, a segunda proposta negativa do Ministério Público chega agora em maio, na qual os juízes responsáveis não podem agendar sua libertação, ou melhor, alegam que o companheiro terá que permanecer na prisão por tempo indeterminado até que seja decidido, com base em seus anseios, que ele não é mais um perigo. Para justificar esta tomada de reféns indefinida do companheiro, usa-se o pretexto de que o prisioneiro “não cumpre as condições substanciais para a libertação, pois há o risco de cometer novos crimes”. Em outras palavras, esta é uma extensão preventiva da detenção de um prisioneiro sem qualquer limite de tempo. De acordo com o Código Penal aplicável ao caso do companheiro, todos os presos que tenham cumprido 3/5 de sua pena têm direito à liberdade condicional se não houver casos criminais ativos ou ofensas disciplinares ativas na prisão.

A dispensa condicional é um acervo militante dos prisioneiros. Uma aquisição que, junto com algumas outras, como as curtas licenças, foi ganha durante a época do duro regime de prisão e os sangrentos tumultos nas prisões. A greve de fome de Yinnis está ocorrendo num momento em que um governo de direita, conservador e neoliberal está no poder na Grécia, que, aplicando a doutrina da “Lei e Ordem”, está atacando e abolindo anos de ganhos duramente conquistados (abolição da jornada de trabalho de oito horas, abolição do asilo universitário e entrada da polícia nas universidades, endurecimento do código penal, lei que restringe manifestações, assassinatos e repressão nas fronteiras, criminalização da resistência coletiva, empobrecimento da base social com o aumento dos preços dos produtos).

Este governo tem tido um interesse especial na repressão dos presos políticos. Um exemplo típico é a atitude intransigente do Estado em relação à greve de fome de Dimitris Koufontina em relação à licença a que ele tinha direito como prisioneiro. Parte da mesma tática é a atitude em relação à luta do companheiro Yinnis Michalidis.

“Porque não procuro o interesse de ninguém como vítima da repressão estatal, mas como sujeito social e político ativo que vê minha condição de cativeiro como parte do ataque do Estado e do capital contra aqueles que conscientemente se opõem a eles. Ao contrário, apelo para uma relação de solidariedade revolucionária com base em projeções comuns e uma luta comum com múltiplas arestas que coordene a raiva sentida por pessoas diferentes que vivem em condições diferentes, mas com as mesmas causas”. – Giannis Michailidis, prisioneiro em Malandrinos, 23/5/2022

Impelidos pelas palavras do próprio companheiro, não percebemos o caso de Yinnis Michalidis como um exemplo isolado de vingança contra um prisioneiro político. É um fato que em todo o mundo os presos políticos sofrem discriminação e condições especiais de detenção. O fato de permanecerem impenitentes, mesmo na prisão, continuando sua luta e mantendo uma postura militante dentro dos muros, os coloca na mira dos Estados e dos mecanismos repressivos contra os quais lutaram e continuam a lutar. Há mais de alguns casos em que presos políticos, apesar de cumprirem os requisitos para serem libertados, continuam detidos preventivamente através de uma série de leis especiais, interpretações legalistas e decisões políticas.

Na Alemanha, Tomas Meyer Falk.

Nos Estados Unidos, Mumia Abu-Jamal e membros do Exército de Libertação Negra.

No Paraguai, Carmen Villalba.

Na França, Claudio Lavazza e Georges Ibrahim Abdallah.

No Chile, Marcelo Vellarroel.

Na Grécia, Dimitris Koufontinas e Savvas Xiros.

Na Turquia, Ali Osman Köse.

Os exemplos acima são apenas alguns dos exemplos de lutadores que mostram uma atitude não arrependida e fé na luta pela libertação. Para nós, a solidariedade internacionalista é uma arma importante na aljava dos movimentos revolucionários. O capitalismo é um sistema de organização econômica e social empobrecedor. A luta contra ele é comum e une pessoas diferentes de lugares diferentes com pontos de partida diferentes que experimentam condições diferentes, mas com as mesmas causas. É por isso que a luta pela liberdade de um é a luta pela liberdade de todos. Com base no caso de Yinnis Michalidis e sua greve de fome, pedimos um dia internacional de ação contra o regime de exceção aplicado aos presos políticos.

Para o caso de Yinnis Michalidis, propomos o direcionamento político nas estruturas do Estado grego e das empresas gregas e/ou destacando a luta daqueles que estão nas mãos da máfia do Estado de forma igualmente vingativa.

O ESTADO E O CAPITAL SÃO OS ÚNICOS TERRORISTAS

ERGUER BARREIRAS CONTRA A TENTATIVA DE EXTERMÍNIO DO GREVISTA DE FOME

LIBERTAÇÃO IMEDIATA DO ANARQUISTA GREVISTA DE FOME YINNIS MICHALIDIS

Assembleia de solidariedade com o anarquista em greve de fome Yinnis Michalidis

Fonte: https://athens.indymedia.org/post/1619381/

agência de notícias anarquistas-ana

Ah! Oh! É tudo
O que se pode dizer —
Monte Yoshino em flor.

Yasuhara Teishitsu

 

Leave a Reply