Apelo dos/das anarquistas italianos/italianas em solidariedade à resistência popular contra a ditadura de Ortega-Murillo na Nicarágua

Com este documento, como anarquistas e libertários, queremos expressar nossa firme condenação à violência política exercida pelo Estado e à contínua violação dos direitos humanos na Nicarágua. O atual regime Ortega-Murillo [presidente e vice-presidente] é responsável por essas violações que causaram aproximadamente 350 mortes nos últimos meses.

Após a repressão de abril de 2018, cerca de 130 presos políticos permanecem detidos e cerca de 80.000 nicaraguenses optaram pelo exílio. Nos últimos meses, as tropas paramilitares do governo atacam as casas de opositores políticos, incluindo muitos ex-prisioneiros e prisioneiras políticos. Os órgãos de imprensa não alinhados com o governo são impedidos de trabalhar e publicar.

A indignação, a dor, o sentimento de frustração histórica são ainda mais fortes porque essa aberração política é o resultado da ação de líderes e governos que afirmam ser esquerdistas. Na realidade, estamos testemunhando o enriquecimento de uma oligarquia ligada a interesses econômicos transnacionais que é enriquecida por trás dos deserdados, agitando a bandeira “anti-imperialista”. Não há pior imperialismo do que o colonialismo interno, que se transforma em violenta opressão disfarçada de uma retórica anti-imperial.

Essa indignação é ainda mais forte ante o silêncio cúmplice das organizações e partidos da esquerda italiana que, em parte, optaram por se alinhar à antiga linha stalinista e ainda apoiar ditadores como Ortega, que realizam massacres contra seu próprio povo.

Denunciar esta situação tão dolorosa e inaceitável, levantando a voz contra a violação das liberdades e dos direitos mais básicos do atual governo nicaraguense, não é apenas um dever de solidariedade humana. É também um ato e um apelo coletivo em defesa da memória revolucionária; uma tentativa de evitar o resultado trágico da degeneração em curso.

E tudo isso acontece na Nicarágua. A terra que era o símbolo fértil da esperança emancipatória no final da década de 1970 e se transformou em um novo campo de autoritarismo.

A memória de uma das revoluções mais nobres e esperançosas de Nuestra América [alusão ao famoso texto de José Marti], como foi – e é – a memória de Sandino [1895-1934]; a memória das lutas anticapitalistas de um povo violentado, mas corajoso, hoje é pisoteada por (tentarem) esconder a violência comum característica de mais um regime ditatorial.

Levantamos nossa voz para condenar publicamente a ditadura do governo Ortega-Murillo. Expressamos nossa solidariedade com o povo e os jovens que, hoje, mais uma vez, se levantam e resistem.

As subscrições devem ser enviadas para o seguinte endereço:

sovversivivaldinoto@libero.it ou através da página do FB.

facebook.com/situazionisovversivevaldinoto/

Primeiros signatários

Situações subversivas de Val di Noto (Sicília)

Federação Anarquista da Sicília

Fonte: https://umanitanova.org/?p=10691

Tradução > Liberto

Conteúdos relacionados:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2019/10/02/nicaragua-sem-estado-sem-marido-sem-somoza-memorias-libertarias-da-revolucao/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2018/07/26/uruguai-silencios-que-matam-nicaragua-e-a-esquerda/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2018/07/24/apoiar-ortega-e-como-apoiar-stalin-diz-ex-guerrilheira-na-nicaragua/

agência de notícias anarquistas-ana

Ao brilho suave
da lua de primavera
um vulto se aproxima.

Benedita Azevedo

Leave a Reply