[Itália] Por que a Anarquia é necessária hoje (e sempre)

A crise de saúde devido à pandemia do Covid-19 tem multiplicando doenças que normalmente requerem hospitalização severa em emergências cardiorrespiratórias em casos graves, o que tem colapsado os sistemas de saúde de muitos países, particularmente aqueles que aplicaram com mais rigor as prescrições neoliberais para o sucateamento da saúde pública: este é o principal tema de discussão tanto na esfera pública quanto na privada. Agora que em vários países o medo da morte, dos entes queridos e de si mesmo, está gradualmente diminuindo à medida que o número de novas infecções diminui em muitos países, as mortes estão caindo e, gradualmente, sobretudo, os leitos de terapia de emergência estão sendo novamente libertados da superlotação que ocorreu nos piores momentos, embora um novo medo esteja tomando conta: o de uma crise econômica sem precedentes na memória de quase todos os que hoje vivem no planeta.

Neste período, de fato, o colapso da saúde pública fez com que a segregação social se tornasse inevitável em quase todos os lugares para evitar uma catástrofe: isto implicou no que sabemos bem, ou seja, fechar boa parte das atividades produtivas formais não essenciais, assim como todas aquelas não formalizadas (“trabalhos negros” e também ilegais no sentido estrito) que lidam com setores considerados essenciais ou não. Já se sente agora a falta de renda: obviamente, para aqueles que foram forçados a parar completamente seus negócios, mas isso não deve ser subestimado, para aqueles que continuam mantendo uma renda, mas diminuem fortemente (integrados, no trabalho, mas sem horas extras), geralmente com salários complementados, etc.), enquanto as promessas de ingressos sob várias formas por parte do governo são muito fracas e lentas.

Agora não há necessidade de incomodar Keynes e o conceito de multiplicador [1] para entender que estamos diante de uma crise que parece muito mais ampla e grave do que a de 2008[2]: foi, na verdade, desenvolvida principalmente em um setor, o setor financeiro, que gradualmente se expandiu para todos os outros. Agora, porém, nos encontramos numa situação em que um grande número de setores econômicos, quase todos eles, sofreram ao mesmo tempo. Não apenas isso: ao contrário de todas as crises do recente passado pós-guerra, a imensidão da crise, presumivelmente, também tornará difícil para as nações que conseguiram lidar com a crise relatando menos danos, pois a relativa eficiência de seu sistema de saúde permitiu que fossem menos constrangidas. Na realidade são nações – o exemplo paradigmático é a Alemanha – com uma economia dedicada principalmente à exportação, que terá uma queda drástica devido às dificuldades dos países importadores.

É difícil fazer previsões exatas sobre tais situações. Em geral, é um ditado clássico para o qual a história nunca se repete e isto também se aplica à história econômica, mas aqui a discussão não é sobre se haverá uma crise, pois estamos sofrendo com ela no momento, mas sobre seu alcance que, como já dissemos, é de considerável importância. Devemos esperar que não atinja ou supere o desastre de 1929, onde chegou literalmente ao ponto de fome dentro dos mesmos países industrializados daquela época[3]. No entanto, é extremamente provável que o nosso futuro seja um futuro de desemprego crescente, uma queda na renda e, para muitos, uma sobrevivência diária, dado que milhões de famílias na Itália e centenas de milhões no mundo estão em extrema dificuldade no momento, mesmo do ponto de vista da alimentação diária. Este é o cenário que devemos enfrentar a partir de agora e que na verdade corre o risco de ficar cada vez pior.

É em casos como este que há uma “falta de anarquismo”, de comunismo autogerido, e se percebe o poder assassino do sistema hierárquico, dos Estados e do capitalismo. Como Kropotkin apontou[4], a economia política burguesa, por trás do manto da cientificidade, esconde um ponto de partida errado e ideológico: a ideia de que o eixo de referência da análise e ação econômica é o lucro, e não as necessidades das pessoas. A crise que já existe e que está emergindo é apenas porque é preciso levar em conta as leis sobre a propriedade privada, sobre os assalariados e sobre a necessidade de lucro: sem elas, sem hierarquias sociais, em um regime anarquista da sociedade, o problema não iria muito longe. A matéria-prima, a maquinaria, as habilidades certamente não desapareceram: é a sociedade hierárquica, as regras governamentais e capitalistas que as tornam inutilizáveis. Sem eles, seriam utilizados da forma mais racional para atender as necessidades de todos.

Este deve ser nosso ponto de referência geral para lidar com a crise atual e seus eventuais desenvolvimentos: a consciência de que o sistema hierárquico produzirá crises repetitivas e, mesmo em condições normais, miséria para a maioria e cada vez mais imensa riqueza para poucos, que deve ser superada para o bem e a própria sobrevivência da humanidade. Portanto, numa situação de crise econômica como a que estamos vivendo e que pode agravar-se dramaticamente, por um lado é certamente necessário recuperar imediatamente os processos de redistribuição da riqueza produzida coletivamente, mas que o sistema hierárquico retira da grande maioria da humanidade, privilegiando, se as relações de poder possibilitam, o acesso direto a bens e serviços em vez de uma consideração monetária; por outro lado, expandir ao máximo os processos de ajuda mútua que surgiram espontaneamente em populações de todo o mundo.

Os processos de apoio mútuo, de fato, têm inúmeras vantagens. Primeiro, eles prefiguram uma sociedade sem hierarquias sociais e políticas, igualitária e autogerida, acostumando as pessoas a tais relações sociais. Certamente não havia necessidade de que a pandemia a gerasse, pois é claro que são a única esperança para o futuro da “humanidade”. Além disso, habituam as pessoas a confiar apenas em si mesmas, num processo igualmente independente da ajuda maliciosa dos governos e da lógica mercantil.

O que fazer concretamente, então, obviamente, dependerá das relações de poder. O importante é que todas as nossas ações que visam aliviar o sofrimento imposto pela crise capitalista se movam dentro de um quadro que leve em conta o objetivo geral e não se oponha a ele. Em suma, mesmo nesta ocasião, o gradualismo revolucionário de Errico Malatesta[5] continua sendo plenamente relevante:

“(…) empurramos os trabalhadores a exigir e impor todas as melhorias possíveis e impossíveis e não queremos que eles se resignem a ficar doentes hoje, esperando pelo futuro paraíso. E se somos contra o reformismo não é porque não nos importamos com melhorias parciais, mas porque acreditamos que o reformismo é um obstáculo não só para a revolução, mas também para as próprias reformas. (…) Um ressurgimento da miséria, uma grande crise industrial e comercial, pode determinar um movimento insurrecional e ser o ponto de partida de uma transformação social, pois afeta pessoas que se acostumaram a um bem-estar relativo e que não podem suportar uma deterioração. Porque, se o movimento não ocorresse imediatamente e o tempo necessário fosse concedido para que as pessoas se habituassem gradualmente a um padrão de vida mais baixo, a miséria resultante perderia seu valor revolucionário e continuaria sendo uma causa de depressão e brutalidade”[6].

Estas palavras publicadas neste mesmo jornal há exatamente cem anos, na situação do Biênio Vermelho e da crise que se seguiu à Primeira Guerra Mundial na Itália, devem ser o ponto de referência não só para nós mas, em geral, para quem não quer que “tudo volte a ser como era” ou ainda pior do que antes.

Enrico Voccia

Notas:

[1] https://www.okpedia.it/moltiplicatore_del_reddito

[2] https://it.wikipedia.org/wiki/Grande_recessione

[3] https://it.wikipedia.org/wiki/Grande_depressione | https://www.ilfattoquotidiano.it/2019/10/24/crollo-di-wall-street-90-anni-fa-aveva-inizio-la-grande-depressione-e-la-colpa-e-sempre-del-mercato/5528128/

[4] KROPOTKIN, Piotr, The Conquest of Pane, https://www.liberliber.it/online/autori/autori-k/petr-alekseevic-kropotkin/la-conquista-del-pane/

[5] https://www.liberliber.it/online/autori/autori-k/petr-alekseevic-kropotkin/la-conquista-del-pane/

[6] MALATESTA, Errico, “Tanto Peggio, Tanto Meglio?”, em Umanità Nova, 26 de junho de 1920.

Fonte: https://umanitanova.org/?p=12098

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

o crisântemo amarelo
sob a luz da lanterna de mão
perde sua cor 

Buson

Leave a Reply