[Chile] Comunicado: as ruas são nossas, as urnas do poder

Entendemos que o capitalismo nos mantém em um estado de crise permanente, ameaçando nossas vidas e as dos ecossistemas com um colapso generalizado. É desta aberração que surge a revolta no território dominado pelo Estado do Chile e em tantos outros lugares do mundo que foram confrontados com o sistema vigente. A raiva, após vários terremotos de descontentamento explodiram em 18 de outubro como uma erupção vulcânica em sua vida monótona na cidade, deste caótico e belo devir é que a classe política que dirige este país tinha medo de ser confrontada com este mar de pessoas dispostas a fazer qualquer coisa para mudar as coisas, Eles tinham medo de “compartilhar seus privilégios” e decidiram que a melhor maneira de acalmar as águas dessa onda desenfreada de autodefesa e autonomia era através de um “acordo de paz” que é o que qualquer Estado faz para se vitimizar e se legitimar, colocando esse “poderoso inimigo” como a causa da violência. Mas sabemos que enquanto todo esse mecanismo eleitoral de acordos e pactos entre eles está sendo construído como de costume, eles continuam a reforçar suas armas de repressão para defender seu sistema quebrado à frente das milícias e do toque de recolher com sua desculpa pandêmica.

Não somos a causa de nossa própria miséria, são os ricos, os poderosos, aqueles que investem em armas, ao invés de investir na saúde, aqueles que nos falam de frente sobre paz e democracia como conceitos a serem reivindicados, enquanto nos assassinam por trás. Diante disso, não podemos fazer-lhes o favor de cumprir suas normas cívicas de bom comportamento, devemos afiar nossas garras para atacar e contra-atacar, é hora de defender o que conseguimos com a revolta, esse entrelaçamento de apoio mútuo e solidariedade que estava sendo bordado. Continuaremos lutando por nossa autonomia, porque nunca dependemos de um Estado ou de uma Constituição para orientar nossas vidas, e é por isso que, antes da iminente comemoração da revolta popular que começou em outubro de 2019 e do abrandamento do processo constitucional, a partir do território Lafkenche (Valdivia) fazemos um claro apelo ao protesto e à propaganda, para não desistir das ruas que tanto nos esforçamos para vencer.

Kiñe: A busca de consenso através do plebiscito foi promovida pelas classes políticas dominantes, como uma linha de vida para re-alfabetizar este regime democrático e sua tão danificada representatividade, mas evitando uma verdadeira ruptura com o capital. Desta forma, o poder cria o imaginário de que os caminhos democráticos e institucionais são a panaceia para uma vida digna. Entretanto, esta estratégia desmobilizadora esconde seu senso político de administração e negociação para manter a ordem estatal. O que eles estão fazendo é sequestrar a revolta e colocá-la em seu próprio território; relegando o conteúdo da luta e apropriando-se dela. Ficou claro que a adesão a um ou outro slogan, neste caso “eu aprovo” ou “eu rejeito”, é vendida como a única maneira de continuar nos colocando em um lugar submisso e derrotista, onde, se escolhe uma opção ou outra, e a manutenção do capital é perpetuada. O problema está em nos deixarmos conduzir pelos líderes, ou em defender as reformas levantadas pela elite governante, em vez de lutar por nossas próprias exigências. Isto expressa uma fraqueza que nos precede, típica de anos de acumulação de repressão que o Estado e os que estão no poder chamam de ordem. Diante de tudo isso, temos nossas perguntas: Como podemos confiar neste estado abusivo que perpetua o patriarcado e o capitalismo? O mesmo que é cúmplice e executor da subjugação em nossos corpos, que nega a existência de prisioneiros políticos, as violações aos direitos humanos, que endossa e apoia a ação repressiva da juta e das milícias, que promove leis terroristas e aumenta demais sua infraestrutura repressiva, mesmo durante a pandemia. Como podemos abandonar a raiva que gera este sistema hostil da vida? Como podemos esquecer os camaradas? Que suas mortes não tenham sido em vão, todos os Estados são terroristas, não vamos nos comprometer com aqueles que administram nossa miséria, pela destruição da ordem capitalista: vamos recuperar nossas vidas!

Epu: Nós convidamos as pessoas a lembrar, não esquecer nossos mortos, nossas vítimas, nossos estupradores e nossos torturadores. Sabemos que a alegria nunca veio e que votando ela nunca chegará; ainda há prisioneiros da ditadura, da transição e da revolta. Aqueles que não acreditaram no plebiscito do sim e não do 88, que mantiveram suas convicções rebeldes e viram o engano democrático que estava por vir, foram assassinados, criminalizados como terroristas e até criaram uma prisão de alta segurança para eles. As práticas explícitas de terrorismo de Estado iniciadas sob a ditadura nunca desapareceram: sequestro, tortura, assassinato, desaparecimento forçado, prisão política, repressão de protestos e manipulação da mídia continuam a existir na democracia sem o menor remorso. Os dias de protesto da população abalaram o sistema como um todo: o tecido social e rebelde estava sendo reconstruído, a capacidade de autodefesa territorial e de ataque ao sistema e a nossos opressores estava aumentando. Entretanto, a classe política que ascendia ao poder exigia a desmobilização e ficar em casa, resolvendo o conflito com um papel e um lápis, como fazem hoje, usando novamente um plebiscito como estratégia contrarrevolucionária de desmobilização. Desta forma, durante a transição para esta democracia, as organizações populares foram institucionalizadas, aliviadas e controladas com a incorporação aos partidos políticos, que levaram a cabo o projeto neoliberal. O descontentamento social acumulado até um ponto insuportável, que detonou e explodiu a revolta de outubro de 2019, que hoje tenta pacificar e legalizar com sua institucionalidade, mas aqueles de nós que sofreram a repressão em nossa própria carne não o fizeram lutando por uma solução acordada com aqueles que nos oprimem. Não vamos cair no jogo deles, não vamos nos tornar parte desta tentativa de extinguir nossa rebelião histórica: NÃO DEIXAREMOS AS RUAS.

Küla: Durante a revolta que reencontramos, lutamos juntos nas ruas pela destruição da ordem existente, queríamos tudo porque tudo nos foi negado, “eles tiraram tanto de nós que tiraram nosso medo”. Enchemos as ruas com nossa vitalidade rebelde, sonhamos novamente que um novo horizonte fora desta ordem é possível, a radicalidade de nossos atos era mais exemplar do que qualquer discurso, era uma potência ingovernável. O fogo que acendeu o rastilho rebelde da insurreição ainda está vivo, o anonimato do capuz nos fez olhar nos olhos um do outro novamente, com nossos rostos cobertos confiamos e cuidamos de nós mesmos, reconhecemos nossos inimigos, os enfrentamos. Gritamos, choramos, rimos, dançamos. As ruas eram realmente nossas, nunca nos havíamos sentido tão vivos no cemitério da cidade, a esperança não apenas reanimou, mas transbordou nossos corações, arriscamos nossas vidas e nossa liberdade como gestos de amor altruísta. Este momento indigente foi criado com afeto entre nós e ódio à institucionalidade, apostando em nossa autonomia: nos curamos uns aos outros através dos pontos de saúde, nos alimentamos mutuamente nas panelas comuns, nos organizamos entre nós em assembleias territoriais, nos apoiamos uns aos outros com solidariedade anti-prisão, nos informamos mutuamente preenchendo os muros de contrainformação que moldaram nossa raiva e descontentamento. Estávamos juntos nas ruas, sem bandeiras, sem líderes ou oficiais, nos chamávamos juntos, sem que ninguém nos desse ordens. Nunca precisamos das instituições do Estado, POR QUE AGORA PRECISARÍAMOS? Estamos conscientes de que a dignidade pela qual lutamos não se encontra na democracia ou em seu processo constituinte, porque nossos sonhos não cabem em suas urnas e o potencial revolucionário da revolta não terminará, Deixe-nos CONTINUAR A LUTA PARA LEVANTAR A AUTONOMIA TERRITORIAL.

Después…
Van a venir a contarnos a la cárcel sobre lo bonito que salió el plebiscito.
Que con papel y lápiz ahora existen derechos para ti y para mí.
Nos van a pedir en esta fiesta cívica que nos portemos bien (…)
Nos van a decir que el pasado debe quedar atrás. Que ojos menos, que ojos más.
Que veintidós, que veintitrés, que les habilitarán el cuarto piso del museo de la memoria. Que ahí podrán ir a llorarlos sus madres. (…)
Que se iniciará una nueva transición.
Y que habrá que vivir con la alegría sana de la limpia victoria alcanzada.
(…)
Una amiga me dice que la historia le suena conocida.
Que no se traga el cuento, que tenemos que hacer algo.
Y yo ardo en ganas de devenir
(….)

Cristóbal Palma, preso da revolta.

Fonte: https://lapeste.org/2020/10/comunicado-las-calles-son-nuestras-las-urnas-del-poder/

Tradução > Liberto

Conteúdos relacionados:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2020/10/08/chile-depois-do-plebiscito-continuarao-nos-atacando-para-defender-a-ordem-dos-ricos-sublevacao/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2020/10/05/chile-construamos-um-novo-mundo-com-luta-e-organizacao/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2020/10/01/chile-nada-de-urnas-se-organizar-a-margem-dos-partidos-e-do-estado/

agência de notícias anarquistas-ana

curta noite
perto de mim, junto ao travesseiro
um biombo de prata

Buson

Leave a Reply